TURISMO

Canal Viva Bem


Uma comissão formada por moradores do bairro Atalaia, representantes da Empresa Sergipana de Turismo (Emsetur), da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), através do Centro de Apoio Psicossocial (CAPES), Associação Brasileira da Indústria de Hotéis de Sergipe (ABIH-SE) e da Secretaria do Estado de Segurança Pública (SSP) está discutindo a problemática da exploração sexual de crianças e adolescentes para encontrar soluções para os moradores do bairro Atalaia. Cartão postal de Aracaju, a Orla tem apresentado tensões entre moradores e profissionais do sexo.


Entre as principais queixas dos moradores estão a exploração sexual de crianças e adolescentes e a perturbação da ordem pública. Além da pratica legal exercida pelas profissionais do sexo, há queixas de que elas estão arregimentando crianças e adolescentes para a pratica comercial do sexo, vendendo drogas e fazendo manifestações que incomodam os moradores. Para tentar resolver este e outros problemas, órgãos do Governo do Estado estão trabalhando de forma sistemática.


Em acordo com o Ministério Público (MP), a Prefeitura de Aracaju se comprometeu a fazer limpeza em terrenos baldios, melhorar a iluminação e prestar assistência social e médica para as pessoas vulneráveis da área. Com o objetivo de agregar força a esta luta, a Emsetur está atuando também no combate à exploração sexual de crianças e adolescentes para evitar que este crime aconteça nos pontos turísticos de Sergipe.


Para a delegada Tereza Simony, responsável pela delegacia de Turismo, a situação do bairro Atalaia é mais que um problema de policia, é também uma questão social. Ela explicou que os moradores em ação conjunta com as autoridades são fundamentais para ajudar a resolver os problemas. “São vocês [moradores do bairro Atalaia] que irão pontuar os problemas para que possamos discutir soluções e resolvê-los”, diz.


Ações


A Emsetur intensificou desde o primeiro semestre deste ano uma campanha de combate à exploração sexual de crianças e adolescentes com o tema Exploração sexual não é brincadeira, é crime. Durante o lançamento da campanha, foi feito um trabalho de conscientização nos bares e restaurantes da Orla de Atalaia com a distribuição de panfletos divulgando o novo número para denúncias em Sergipe de abusos contra crianças e adolescentes (79) 3213-7000.


O atendimento, prestado pela delegacia Especial de Atendimento à Criança, Adolescente e Vítima, instalada no Centro de Atendimento a Grupos Vulneráveis (CAGV) da Secretaria da Segurança Pública (SSP), em Aracaju, serve para que sejam realizadas as investigações e seja providenciado apoio psicológico à vítima e sua família. Há ainda o Disque 100, do Governo Federal, válido para todo o território nacional.


A campanha contra a exploração sexual de crianças e adolescentes é uma ação conjunta do Governo de Sergipe e da Prefeitura de Aracaju e envolve as secretarias do Estado de Segurança Pública; da Inclusão, Assistência e Desenvolvimento Social; de Promoção Social, Trabalho e Juventude; da Saúde e do Turismo, através da Emsetur, além da Guarda Municipal, Secretaria Municipal de Ação Social, Conselhos Tutelares, Instituto Recriando, Ministério Público, entre outros.


Uma nova reunião será marcada para a definição de um plano estratégico de ações com a colaboração dos atores envolvidos. No próximo encontro, serão traçadas diretrizes a serem adotadas de forma racional para que não só os moradores como também os turistas que visitam a Atalaia possam passear de modo mais seguro na região.