Inquérito vai apurar prejuízos na construção da maternidade

Canal Viva Bem


Cumprindo determinação da Controladoria Geral do Estado (CGE), a Secretaria de Estado da Saúde (SES) abrirá inquérito administrativo para quantificar o prejuízo total que a Organização Mundial da Família (OMF) causou ao Estado com as irregularidades na construção da Maternidade Nossa Senhora de Lourdes. O relatório da CGE, concluído no final da semana passada, aponta que pelo menos cerca de R$ 4 milhões do valor destinado à obra continua sem qualquer comprovação de gastos. Para atestar a aplicação de recursos, a OMF chegou a apresentar um balancete financeiro com informações fictícias.


 


A maternidade foi construída com recursos do Fundo Estadual da Saúde (FES) correspondentes a R$ 11.255.808,60 milhões e com contrapartida da OMF, correspondente a 20% do investimento total. Segundo o relatório dos auditores, mais de R$ 3.901,149,75 milhões estão sem comprovação. A Controladoria recomenda que a Secretaria também abra um inquérito para identificar individualmente os envolvidos e solicite à Procuradoria Geral do Estado (PGE) adoção de medidas jurídicas para recuperação patrimonial dos prejuízos causados ao Fundo Estadual de Saúde.


 


Uma das irregularidades detectadas pelos auditores é a ausência de licitação para realizar serviços e adquirir bens utilizados na construção da maternidade. O relatório aponta ainda a aplicação de recursos com desvio de finalidade do objeto do convênio, utilizados para pagamento de contas em bares, lanchonetes, restaurantes, supermercados, despesas com telefonia, passagens aéreas, locação de veículos, serviços de táxi, hospedagens, combustível e lavanderias.


 


Entre as incoerências constatadas pela CGE, há mais de R$ 700 mil aplicados na compra de passagens aéreas e outras despesas indevidas em desacordo com o que estabelecia o convênio. Nas contas em bares e restaurantes, por exemplo, existe até consumo de bebidas alcoólicas. Em diversas situações de despesas estranhas à finalidade do convênio, a situação se agrava com a aplicação destes recursos fora do prazo de vigência.


 


Impessoalidade questionada


O controlador Geral do Estado, Adinelson Alves, destacou que também foram realizados saques da conta do convênio com cheques assinados pela diretora da Organização Mundial da Família, Deisi Noeli Kusztra, cujos recibos de quitação da verba também foram assinados por ela. “Nesse quesito, são mais de R$ 3 milhões sem comprovação. Isso constitui não só descumprimento do princípio da impessoalidade na relação comercial, mas o conflito de interesses pela ausência de segregação”, comentou Adinelson.


 


Segundo ele, os gestores que respondiam pela Secretaria de Estado da Saúde liberaram recursos do Fundo Estadual de maneira irregular, mesmo com o parecer técnico contrário às decisões. “Os auditores detectaram ainda que a então secretária-adjunta da Saúde, Maria José Evangelista, também assumia a função de conselheira da OMF, o que configura a situação de conflito gerado entre os interesses público e privado”, acrescentou o controlador.


 


Direitos trabalhistas


A construção da Maternidade Nossa Senhora de Lourdes também foi marcada pelo desrespeito à legislação trabalhista. Atualmente, na Justiça do Trabalho de Sergipe estão tramitando vários processos contra a Organização Mundial da Família. O relatório atesta ainda que não há o registro da maternidade no Cadastro Específico do INSS (CEI), tampouco o licenciamento na Empresa Municipal de Serviços Urbanos (Emsurb), o que pode ocasionar mais prejuízos ao Estado, com eventuais multas da Receita Federal.


 


A Controladoria Geral do Estado encaminhou o resultado da auditoria ao Ministério Público Estadual e ao Tribunal de Contas do Estado para que adotem as medidas legais cabíveis. O documento também foi encaminhado ao Tribunal de Contas da União, Ministério Público Federal e Controladoria Geral da União, já que também existem indícios da utilização de recursos do Fundo Nacional da Saúde.


 


Mesmo diante de tantas irregularidades, a Secretaria de Estado da Saúde assumiu a compromisso de concluir a obra, o que ficou acordado durante audiência no Ministério Público Estadual. Para concluir as obras e garantir a abertura daquela unidade de saúde, que entrará em funcionamento no mês de novembro, o Estado precisou investir mais de R$ 430 mil.


 


Adequação


No canteiro de obras da maternidade, a equipe operacional do Departamento Estadual de Infra-Estrutura Rodoviária de Sergipe (DER) continua realizando os serviços de terraplanagem e pavimentação, ação contemplada no Termo de Ajustamento de Conduta firmado com o Ministério Público Estadual. Os serviços corrigem todos os problemas identificados nas inspeções realizadas por técnicos da SES, Vigilância Sanitária de Aracaju e do próprio Ministério Público. A primeira medida adotada pelo DER foi retirar todo o material inadequado que estava no local para nivelar o terreno no entorno da maternidade, o que vai evitar alagamentos.