Hemose reforça a importância da ingestão de líquidos por doadores

Canal Viva Bem

A alteração da pressão arterial, da frequência cardíaca e da espessura do sangue são alguns dos desconfortos provocados à saúde, em decorrência da elevação da temperatura associada à forte sensação de calor. O médico Alexandre Mansão, do Centro de Hemoterapia de Sergipe (Hemose), alerta aos doadores de sangue para necessidade de aumentar o consumo de líquidos, em especial, água e sucos naturais, antes e após a doação.

Como um dos critérios para realizar a doação é estar bem de saúde, o médico explica que o voluntário deve ficar atento para o estado de hidratação. Ele lembra que Sergipe tem calor o ano todo, mesmo nos meses mais frios. “Essa situação se agrava ao lembrarmos que as pessoas, em sua maioria, têm o hábito de tomar pouca água e consumir muito refrigerante, que não é o liquido correto, quando falamos em hidratação do organismo. O triador clínico do Hemose é treinado para avaliar as condições de saúde do voluntário”, ressalta.

O especialista alerta que, devido à falta de hidratação no organismo, o sangue sofre um aumento da viscosidade, o que torna a veia mais difícil de procurar, ocasionando um desconforto no momento da punção para coleta da bolsa de sangue. 

“Em uma situação normal, o acesso da veia é rápido. Nesse caso, a coleta do sangue  dura de cinco a oito minutos. Do contrário, a passagem do sangue do doador para bolsa coletora pode levar até quinze minutos”, detalha Alexandre Mansão.

Conforme o médico, os cuidados de saúde preconizados pela legislação do serviço de doação são orientados para garantir a segurança do doador e do receptor. “Todas as recomendações visam evitar que, ao final do processo, o doador tenha um mal estar como uma tontura ou uma vertigem, resultando em uma queda. As oscilações de pressão arterial e da frequência cardíaca podem ser evitados se o doador estiver bem hidratado e alimentado”, ressalta.

Hidratação após a doação

De acordo com as normas técnicas do Ministério da Saúde (MS) e da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), que orientam o serviço de coleta, produção e dispensação de sangue e hemocomponentes, a cada doação é retirado no máximo 450 ml de sangue. Daí a necessidade de reforçar a hidratação após a coleta do sangue.

“Durante a doação, o indivíduo está perdendo essa quantidade do seu líquido, em um  período muito curto de tempo. Por isso, o lanche oferecido após a doação precisa ser ingerido na unidade e, no caso de haver necessidade, o voluntário recebe toda  assistência pela equipe do hemocentro”, conclui.

Doação de sangue

Estão aptos a doar sangue candidatos em bom estado de saúde, idade entre 16 anos completos e 69 anos, peso acima de 50 Kg. Menor de 18 anos somente com termo de autorização dos pais ou responsável legal.

Fonte/Foto: SES