Comissão discute movimento em defesa do trabalho médico e plano de cargo e carreira

Canal Viva Bem


Os integrantes da Comissão de Remuneração e Mercado de Trabalho do Médico e Pró-SUS, composta pela Associação Médica Brasileira (AMB), Conselho Federal de Medicina (CFM) e Federação Nacional dos Médicos (Fenam), estiveram reunidos no dois últimos dias de janeiro, em São Paulo, na sede da Associação Brasileira de Medicina. Na pauta do encontro, discussão de novas estratégias para o Movimento de Valorização do Sistema Único de Saúde (SUS) e Defesa do Trabalho Médico, lançado no dia 21 de novembro de 2007 na AMB, e análise do esboço de plano de cargo e carreira específico para a categoria médica.


Durante o primeiro dia, discutiu-se como deverá ser o encaminhamento do Movimento nesta segunda fase, após as diversas manifestações relâmpagos realizadas em todos os Estados do Brasil.


Foi determinado que o número de Comissões Estaduais, atualmente em 11, deve ser ampliado, para que até março pelo menos 70% dos Estados já estejam articulados. Há a necessidade ainda de aprovar uma campanha de divulgação das ações do Movimento para ser trabalhada na mídia.


Ainda em fevereiro o grupo protocolará uma pauta de reivindicações, a ser encaminhada ao Presidente da República e Ministro da Saúde, com cópia para outros setores do governo.


“Vamos fazer um preâmbulo do movimento, desde o dia 21, como forma de registrar oficialmente nossos pedidos”, disse Geraldo Guedes, coordenador da Comissão.


No dia 4 de março as três entidades médicas nacionais e suas regionais vão se reunir novamente na AMB para que seja feito o informe da situação atual de cada Estado e apresentado o novo cronograma do Movimento.


PCCS


Já no dia 31, os integrantes da Comissão de Remuneração e Mercado de Trabalho do Médico e Pró-SUS discutiram ponto a ponto os itens da proposta para criação do Plano de Cargo e Carreira formulada pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). “É um trabalho de unificação, pois foram convidadas entidades médicas de várias partes do país, que montavam regionalmente seus planos. A idéia é afinar todas estas experiências”, disse o presidente da Federação Nacional dos Médicos, Eduardo Santana.


Foram apresentadas e analisadas as diretrizes que servirão de base para o sistema de carreira voltado tanto aos profissionais médicos que atendem tanto o serviço público como a rede privada.


Este material foi elaborado de acordo com as sugestões dos representantes das três entidades médicas durante as reuniões ocorridas nos meses de setembro e outubro do ano passado.


“É importante que este plano dê mobilidade ao médico que trabalha no interior e quer trabalhar em uma região mais central e crie incentivos ao profissional a melhorar seu nível de conhecimento”, ressaltou o presidente da AMB, José Luiz Gomes do Amaral.


Haverá um novo encontro no dia 3 de março, também na sede da AMB, quando serão finalizadas as discussões referentes a este tema.


Estiveram presentes José Luiz Gomes do Amaral, Roberto Gurgel e Florentino Cardoso Filho (AMB); Geraldo Guedes, Aloísio Tibiriçá Miranda, Frederico Henrique de Melo, Alceu Peixoto Pimentel, José Fernando Maia Vinagre, Roberto Tenório de Carvalho, Wirlande Santos da Luz (CFM); Eduardo Santana, Márcio Bichara, Waldir de Araújo Cardoso, José Erivalder Oliveira, Mário Jorge Lobo e Cid Carvalhaes (Fenam).


Fonte: AMB