Seminário discutirá sobre rubéola e sarampo

Canal Viva Bem


A Secretaria de Estado da Saúde (SES) vai realizar no próximo dia 15, terça-feira, o II Seminário Estadual de Doenças Exantemáticas. O evento será realizado no auditório do Hotel Parque dos Coqueiros, a partir das 8h, reunindo aproximadamente 500 profissionais, entre gestores de saúde, médicos, enfermeiros e auxiliares de enfermagem dos 75 municípios sergipanos. A atividade é mais uma iniciativa de mobilização do Governo para a campanha de vacinação contra rubéola, que acontecerá entre os dias 9 de agosto e 12 de setembro.


De acordo com a gerente de Imunizações do Estado, Sândala Oliveira, a proposta é despertar nos profissionais a atenção que todos devem dar à campanha. “No entanto, vamos abordar outras doenças exantemáticas, a exemplo do sarampo, cujos sintomas são semelhantes aos da rubéola. Para isso, contaremos com a participação de técnicos da Vigilância Epidemiológica do Estado, do Ministério da Saúde (MS) e do Governo da Bahia, onde ocorreu um grave surto de sarampo em 2007”, explica Sândala.


Em Sergipe, a campanha de vacinação contra rubéola tem como meta atingir 687.593 pessoas, entre 20 e 39 anos, o que corresponde a um terço da população. “O grande desafio desta vez é garantir também a vacinação dos homens, já que as estatísticas no país apontam um aumento expressivo de casos da doença em adultos do sexo masculino. Por isso, diante da complexidade da campanha, o Governo de Sergipe vem adotando uma série de estratégias para alcançar nosso objetivo”, afirma a gerente.


Oficinas


Desde a semana passada, a SES está capacitando técnicos das áreas de Imunização, Vigilância Epidemiológica e Atenção Básica de todo o Estado. Cerca de 250 profissionais estão sendo devidamente instruídos para a preparação da campanha nos municípios. A primeira oficina aconteceu na sexta-feira, 4, para técnicos de Estância, Itabaiana, Lagarto, Nossa Senhora do Socorro, São Cristóvão, Tobias Barreto, Simão Dias, Barra dos Coqueiros, Nossa Senhora da Glória, Itabaianinha, Umbaúba, Porto da Folha, Poço Verde, Nossa Senhora das Dores, Laranjeiras, Itaporanga DAjuda, Capela, Boquim, Canindé do São Francisco e Poço Redondo.


Nesta quarta-feira, 9, participaram da atividade profissionais de Carira, Areia Branca, Campo do Brito, Cristinápolis, Maruim, Ribeirópolis, Japaratuba, Indiaroba, Japoatã, Santa Luzia do Itanhy, Tomar do Geru, Frei Paulo, Malhador, Monte Alegre de Sergipe, Arauá, Gararu, Moita Bonita, Pacatuba, Carmópolis, Santo Amaro das Brotas, São Domingos, Ilha das Flores, Riachuelo, Pirambu, Salgado, Riachão e Neópolis.


Estratégias


Segundo a secretária adjunta de Saúde de Ribeirópolis, Kátia Menezes, a iniciativa do Estado é de grande valia para orientação dos municípios. “Como se trata de uma campanha mais complexa que as demais, essas oficinas vão ajudar bastante a nortear nosso trabalho”, comenta a secretária, acrescentando que na última sexta-feira, 4, durante a realização do Sergipe de Todos, os profissionais de saúde de Ribeirópolis já vacinaram 50 pessoas contra rubéola.


A coordenadora de Imunização de Aquidabã, Fabiana Hora, também destaca a importância das oficinas e garante que as equipes de saúde do município já estão pensando em estratégias. “Como de costume, começaremos o trabalho pela zona rural. Queremos garantir a vacinação dos agricultores, por exemplo, antes mesmo do dia de lançamento da campanha. Também solicitaremos o apoio de outras secretarias e das escolas”, disse Fabiana.


A capacitação prossegue na quinta-feira, 10, durante todo o dia, reunindo profissionais de Nossa Senhora Aparecida, Pedrinhas, Brejo Grande, Muribeca, Rosário do Catete, Siriri, Macambira, Nossa Senhora de Lourdes, Santana do São Francisco, Cedro de São José, Feira Nova, Graccho Cardoso, Itabi, Pinhão, Canhoba, Cumbe, Divina Pastora, Malhada dos Bois, Santa Rosa de Lima, São Miguel do Aleixo, Amparo do São Francisco, General Maynard, Pedra Mole, São Francisco, Telha, Propriá e Aquidabã.


Alto contágio


A rubéola é uma doença que apresenta alto contágio, pois é transmitida por um vírus. Ela tem como principais sintomas febre alta e manchas vermelhas na pele. A vacinação é a única maneira de se prevenir contra a doença. A maior preocupação quanto à transmissão está voltada para as mulheres gestantes, que podem contaminar o bebê, provocando má formação congênita como cardiopatias, cataratas e surdez, além de abortos e fetos natimortos. Em 2007, Sergipe registrou 11 casos confirmados laboratorialmente.