ASSISTÊNCIA SOCIAL

Canal Viva Bem


Foto: Sílvio Rocha


A Secretaria Municipal de Assistência Social (Semasc), com o intuito de prestar uma ampla assistência a centenas de famílias aracajuanas, desenvolve o Programa de Atenção Integral à Família (Paif). O Programa prevê um tipo de atenção especial para cada membro das famílias, e quando se trata do público idoso é o Programa de Atenção à Pessoa Idosa (Papi) o responsável por desenvolver as atividades. Em Aracaju, o Papi já tem 1.560 inscritos.


Os 24 grupos de senhores e senhoras se reúnem semanalmente nos Centro de Referência em Assistência Social (Cras) de cada bairro para participarem das atividades sócio educativas que a Semasc proporciona. Oficinas de artes manuais, atividades físicas, corais, atividades culturais e palestras sobre o estatuto do idoso, além da fomentação de diversos grupos folclóricos, são exemplos de algumas das ações desenvolvidas pelo Papi com as pessoas inscritas. Em muitos bairros os grupos de idosos já existiam e passaram a ser incorporados ao Papi desde o ano de 2005.


Luzinete de Souza, 62 anos, conta que já participa das atividades no Cras Antônio Valença Rollemberg, localizado no conjunto Augusto Franco, há pouco mais de um mês. Luzinete destaca que, apesar do pouco tempo de convivência neste grupo, já aprendeu sobre a importância das atividades sócio educativas na vida dos idosos em outra oportunidade.


“Já participei de outro grupo na cidade em que morava e pude ver de perto os efeitos que estes encontros fizeram na auto-estima de muitas amigas”, descreve. Já Noemi Barreto participa do grupo de idosos do Augusto Franco há 17 anos e narra já ter visto muitos idosos saírem da depressão e do isolamento através das atividades com o grupo. “Eu mesma entrei porque estava com uma doença e precisei resgatar a alegria de viver. Isso eu consegui aqui.”, comemora.


De acordo com o Estatuto do Idoso, são consideradas idosas as pessoas que têm a partir de 60 anos. No entanto, como o Papi atende a muitas famílias heterogêneas, a faixa etária das pessoas acolhidas pelo programa começa nos 45 anos. De acordo com a coordenadora do Papi/Aracaju, Margarida Ribeiro, o objetivo principal do programa é incentivar a convivência do idoso com a família. “O trabalho do Papi é de grande importância na vida dos idosos que participam, nós ouvimos histórias de idosos que não praticavam nenhum tipo de atividades e vivia isolado do resto da família. Quando eles passam a participar dos grupos a auto-estima se eleva, melhora a qualidade de vida, e eles sentem um ânimo muito grande”, aponta.


A coordenadora afirma ainda que os idosos têm um papel fundamental dentro das famílias na sociedade atual, pois acabam muitas vezes sendo os responsáveis por tomar conta das crianças. Além disso, ainda de acordo com Margarida, na maioria das famílias, o valor recebido pela aposentadoria do idoso se configura como uma importante contribuição para o pagamento das despesas mensais. São parceiros da Semasc na defesa dos direitos do idoso em Aracaju o Ministério Público Estadual, a Delegacia de grupos vulneráveis, e o Conselho Municipal da terceira idade.


Projeto Minha Vida Tem História


No início deste ano, o Papi propôs aos idosos a realização de um novo projeto que tinha por objetivo associar a história dos idosos com a história da cidade de Aracaju. Dentre as centenas de senhores e senhoras que participam do Papi, 10 foram selecionados e capacitados para o curso de oratória, para que pudessem contar a história de suas vida através do Projeto ´Minha Vida tem História´.


Como resultado do projeto um livro foi lançado contendo as histórias de vida dos idosos. Além disso, os selecionados apresentaram as narrativas para crianças de várias Escolas Municipais de Ensino Fundamental (Emef). De acordo com Margarida Ribeiro, os detalhes que mais chamaram a atenção das crianças foram aqueles relacionados às diferenças tecnológicas dos tempos antigos para os atuais.


“A receptividade das crianças foi enorme e elas ficaram maravilhadas com a história de vida deles. Muita coisa mudou em relação à tecnologia em pouquíssimo tempo e as crianças ficaram muito curiosas com o método que as senhoras utilizavam para passar roupas antigamente, por exemplo”, destaca. Além das apresentações, uma peça foi montada com as histórias e apresentada aos garotos e garotas do Programa Municipal de Erradicação do Trabalho Infantil (Peti).