Sergipe conta com tecnologia avançada para diagnóstico e prevenção de arritmias

Canal Viva Bem


Sergipe deu um importante salto no diagnóstico e prevenção de arritmias cardíacas, consideradas uma das principais causas da morte súbita e responsáveis por 50% das mortes causadas por problemas cardiovasculares. Recentemente a Unidade Clínica de Aracaju (Uniclinica) modernizou a realização do exame de eletrocardiografia dinâmica, também chamado de Holter, que permite verificar o funcionamento do coração do paciente por 24 horas. Agora associado a dois novos softwares, que estão sendo utilizados no Estado pela primeira vez, o exame garante uma avaliação segura de pacientes que usam marca-passos e quantifica riscos de infarto e morte repentina.


 


O diretor da Uniclinica, o médico Jailson Santana, destaca que através dessa novidade Sergipe dá um importante passo na área de cardiologia. “É uma satisfação para a Uniclinica oferecer essa inovação, que contribui para o trabalho dos médicos do nosso Estado e impulsiona o avanço no tratamento cardiológico. A iniciativa contribui para um melhor acompanhamento de pacientes cardiopatas e oferece informações mais detalhadas que auxiliarão também na prevenção de enfartes e mortes súbitas”, acrescentou.


 


O exame de eletrocardiografia dinâmica permite o monitoramento do ritmo dos batimentos cardíacos, inclusive durante o sono. São colocados eletrodos no peito, que captam a freqüência cardíaca e transferem os dados para um gravador. Desta forma, é possível identificar aceleramento, lentidão ou cessação temporária dos batimentos do coração. Com os dois novos softwares que a Uniclinica adquiriu, essas informações obtidas durante o exame agora podem ser avaliadas de forma mais minuciosa na tela do computador. O programa “Variabilidade da Freqüência Cardíaca” oferece parâmetros que quantificam os riscos de um paciente sofrer infarto e morte súbita.


 


O especialista em arritmias cardíacas e marca-passo da Uniclinica, Alexandre Duarte, explica que com esse programa o médico pode analisar, por exemplo, o grau de stress do sistema cardiovascular. “Em pacientes com antecedentes de infarto agudo do miocárdio, quanto menor a variação entre um batimento e outro, maior o risco de algum evento cardiovascular, inclusive infarto e morte súbita”, explica. Ele acrescenta que essa baixa variabilidade cardíaca é sinal de que há uma elevada quantidade de hormônio adrenalina circulante. Como conseqüência, será exigido mais do organismo para que seja mantida uma pressão adequada e o equilíbrio de forma geral.


 


A outra inovação que a Uniclinica trouxe para o Estado é o “Software Pacer“. Ele permite a avaliação segura dos dados gerados durante o exame de Holter em pacientes portadores de marca-passo. “Esse programa consegue contar os batimentos cardíacos gerados pelo marca-passo de uma forma muito mais eficiente. Inclusive, ele diferencia os batimentos do coração e do marca-passo, identificando se há problemas no aparelho”, acrescenta o médico Alexandre Duarte.