Realizada a primeira captação de córnea no interior do Estado

Canal Viva Bem


Foto: Márcio Garcez


A Central de Notificação e Captação de Órgãos (CNCDO), que funciona em anexo ao Hospital de Urgência de Sergipe Governador João Alves Filho (HUSE), realizou no dia 4 de março, a primeira captação de córnea em um hospital público do interior do Estado. A córnea foi captada junto a um paciente que estava em parada cardio-respiratória no Hospital Regional de Itabaiana, região agreste do Estado.


“O trabalho é resultado dos investimentos que o Governo de Sergipe tem feito na reestruturação da rede hospitalar regional para oferecer mais serviços e melhor resolutividade no atendimento à população”, avalia o secretário de Estado da Saúde, Rogério Carvalho.


De acordo com Benito Fernandez, coordenador da Central de Transplante de Sergipe, a participação de uma enfermeira do Hospital de Itabaiana foi decisiva para viabilizar a captação inédita. “Isso mostra que quando os profissionais de saúde participam do processo de doação/transplante e a família do doador é consciente da importância do ato, abre-se uma perspectiva enorme para aqueles que hoje aguardam na fila por um transplante de córnea”, ressalta o coordenador da CNCDO.


Capacitação


A Central de Notificação e Captação de Órgãos (CNCDO) apresentou à Secretaria de Estado da Saúde nesta quinta-feira, 13, um projeto para Treinamento na Captação e Preservação de Tecidos Oculares. O curso, destinado a profissionais de enfermagem, está previsto para acontecer entre os dias 15 e 17 de maio. Há, atualmente, 363 pessoas cadastradas em Sergipe na fila de espera por uma córnea.


Segundo Benito Fernandez, o curso será ministrado por uma profissional do Banco de Olhos do Distrito Federal (DF), onde atualmente é realizado todo o processo de preservação das córneas captadas em Sergipe. “Com o treinamento, pretendemos capacitar no mínimo três enfermeiros de cada hospital regional do Estado, qualificando-os a realizar a busca ativa por córnea”, explica o coordenador da CNCDO.


A perspectiva é de que seja capacitados profissionais em quantidade suficiente para realizar a busca ativa por córneas nos três turnos em cada um dos hospitais regionais. A captação da córnea, que pode beneficiar até dois pacientes que aguardam por um transplante, é feita com o doador em parada cardiorespiratória até seis horas após a parada. Para ser aproveitado, o tecido pode ser mantido sob estado de preservação por 14 dias.


Captações


No ano passado, a Central viabilizou 82 transplantes de órgãos e tecidos, dos quais 54 de córnea, 24 de rim e mais quatro de osso. Hoje, segundo Benito Fernandez, há no Estado 619 pacientes na fila à espera por um transplante, dos quais 363 aguardam por uma córnea e 256 por um rim. Em 2008, já foram realizados 17 transplantes, sendo 15 de córnea e dois de rim.


Maior unidade pública captadora de órgãos e tecidos de Sergipe, o Hospital de Urgência de Sergipe tem uma participação significativa para reduzir a fila de espera por um transplante no Estado. Somente no ano passado, a Comissão Intra-hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos (CIHDOTT) viabilizou a captação de 33 órgãos e tecidos, dos quais 24 de córnea, sete de rim, uma de pâncreas e outra de fígado.