Novos dados dos municípios apontam redução de 71% nos casos de dengue

Canal Viva Bem


Foto: Lúcio Telles


Os números informados pelas prefeituras municipais à Secretaria de Estado da Saúde (SES) apontam redução de 71% na quantidade de novos casos notificados de dengue em Sergipe. O dado difere do informado em 2 de junho, quando o Estado anunciou redução de 80,16% nos novos casos da doença, porque na primeira semana deste mês os municípios incluíram no sistema de informações casos referentes aos meses de março, abril e maio.


“O atraso no envio de informações prejudica a precisão dos relatórios e faz com que eles oscilem. Contudo, as novas informações confirmam que Sergipe saiu da epidemia e permanece em médio risco, com taxa de incidência de 244,76 casos notificados para cada 100 mil habitantes”, escalareceu o secretário de Estado da Saúde, Rogério Carvalho, ao reforçar que os dados com os quais o Estado trabalha para confeccionar os boletins semanais sobre a dengue são informados pelos municípios.


Em abril, quando ocorreu o pico da doença no Estado, foram notificados 15.784 novos casos, dos quais 5.602 confirmados. Em maio, este número foi reduzido para 4.977 casos notificados, com 2.096 confirmações. Ao todo, Sergipe registrou 25.369 notificações de dengue e 10.572 confirmações.


“A dengue é um problema com o qual teremos que conviver até que seja criada uma vacina que permita a erradicação da doença. O que temos que fazer é controlar os criadouros do mosquito. É claro que quanto maior a quantidade de casos, mais provável é que haja mais óbitos, mas mesmo quando a situação estiver controlada, poderá haver casos que evoluam mal. A letalidade da doença está ligada questões como o tipo de vírus circulando no Estado e às crianças suscetíveis, que não tiveram contato com a doença”, explicou Rogério Carvalho.


Há atualmente 17 municípios sergipanos em epidemia de dengue, dentre eles a capital Aracaju. Outras 28 cidades estão em situação de médio risco para epidemia e 30 municípios estão em baixo risco. Dos 56 óbitos possivelmente associados à doença, há 27 confirmados, cinco descartados e 24 sob investigação.


O secretário ressaltou que a responsabilidade pelo combate à dengue nos territórios das cidades é das prefeituras, já que o recurso enviado pelo Governo Federal para o controle de endemias é descentralizado para os municípios. “Ao Estado cabem as ações complementares educativas, de treinamento de equipes e apoio institucional. Temos garantido não só isso, como também realizado mobilizações em para o combate aos criadouros do mosquito e o repasse de mais de R$ 1 milhão para auxiliar os municípios”, lembrou ele.