Médicos anunciam paralisação nacional em defesa do SUS e por remuneração digna

Canal Viva Bem


A saúde no Brasil vive uma situação preocupante. O serviço público se encontra na UTI. A remuneração do SUS é vergonhosa. Em virtude de não haver uma perspectiva imediata de resolução desses e de tantos outros problemas, a Associação Médica Brasileira (AMB), o Conselho Federal de Medicina (CFM), a Federação Nacional dos Médicos (FENAM) e as entidades médicas estaduais promovem, em 21 de novembro de 2007, quarta-feira próxima, o Dia Nacional de Protesto em defesa de melhores condições de trabalho, melhor remuneração e uma saúde pública eficiente. Na oportunidade, os médicos de todo o Brasil entrarão em estado de alerta e lideranças médicas anunciarão na sede da AMB, um calendário de atividades que culminará em uma paralisação nacional.


 


A tabela do SUS é classificada como vergonhosa. Mesmo depois do aumento da Tabelo do SUS, anunciado em outubro pelo Ministério da Saúde, os médicos são obrigados a acumular empregos, o que se reflete na qualidade do serviço. O SUS paga ao médico R$ 10 por consulta. Incentivam ao parto normal e remuneram apenas R$ 236 para aquele que fica disponível por horas para tal atendimento. Assim como vários procedimentos, como amigdalectomia ou cirurgia de amídalas (R$ 115), postectomia ou cirurgia de fimose (R$ 42), apendicectomia ou cirurgia de apendicite (R$ 211), atendimento ao recém nascido na sala de parto pelo pediatra (r$ 27,60).


 


Nos Estados, a mobilização consta de uma série de atividades organizadas pelas entidades médicas locais. Vão desde paralisações até debates sobre a precariedade do sistema de saúde e a remuneração dos médicos. A pauta inclui reajuste de repasses do SUS, piso salarial e melhorias necessárias para garantir uma saúde de qualidade para o povo brasileiro.


 


“Medicina brasileira exige respeito”!


 


Reivindicações


Tornar o serviço público eficiente na área da saúde;


Melhor atendimento à população;


Reajuste de 100% do montante destinado aos honorários médicos do SUS;


Remuneração – piso de R$ 6.963,52 para 20 horas de trabalho.  (conforme recomendação do último Enem);


Carreira de Estado e implantação de plano de cargos e salários para os médicos no SUS.


 


Com a aprovação da regulamentação da Emenda 29 na Câmara dos Deputados, os médicos discutem como aproveitar o momento político para alertar a população sobre a crise na saúde. “É hora de demonstrar a insatisfação dos médicos com a baixa remuneração e com as condições precárias de trabalho, que prejudicam o atendimento à população”, destaca o coordenador da Comissão, Geraldo Guedes.


 


Dia 21 de novembro os médicos vão se mobilizar em suas clínicas, hospitais e serviços de saúde, seguir em caravana para as Assembléias Legislativas, Câmaras Municipais, secretarias da saúde e sedes dos executivos, promover discussões em escolas e universidades sobre as condições de trabalho, distribuir panfletos, falar com as pessoas – uma série de atividades reivindicatórias.


 


Fonte: AMB