HPV

Canal Viva Bem

A Secretaria da Saúde de Aracaju (SMS) está empenhada na prevenção do câncer de colo do útero. No período de 1º a 12 de setembro, será realizada a segunda etapa da vacinação contra o Papiloma Vírus Humano (HPV), que tem como público alvo garotas com idades entre 11 e 13 anos, que tomaram a primeira dose em março deste ano. A vacina, que passa a integrar o calendário de imunização, protege contra os quatro tipos de vírus mais comuns que causam o HPV.

Conforme dados da Vigilância Epidemiológica de Aracaju, na primeira etapa da vacinação 13.573 meninas foram imunizadas contra o HPV. A coordenadora do Programa Municipal de Imunização, Débora Moura, enfatiza a importância de cumprir o prazo entre uma dose e outra, mantendo o cartão de vacinas atualizado. "A segunda dose é a que irá garantir que as adolescentes fiquem efetivamente protegidas contra as quatro variações do vírus que causam o HPV. Sem essa continuidade, a vacina não surtirá nenhum efeito", explica.

A coordenadora da Vigilância Epidemiológica de Aracaju, Raulinna Gomes, reforça que a intensificação da aplicação da vacina HPV irá acontecer em diversos bairros da capital sergipana. "Todas as Unidades de Saúde da Família estarão realizando a vacinação dessas meninas, que também receberão orientações sobre a necessidade de prevenir o câncer de colo do útero", afirma.

Garotas que completaram 11 anos e/ou que ainda não receberam a primeira dose da vacina, podem também se dirigir aos postos de saúde para serem imunizadas.  "As vacinas já estão disponibilizadas na rotina de funcionamento das Unidades de Saúde da capital, estando inseridas no calendário básico de vacinação. É essencial que as adolescentes e os responsáveis fiquem atentos para não deixar de se proteger contra o HPV e procurem a unidade mais próxima para vacinar dentro do prazo", conclui a coordenadora do Programa Municipal de Imunização, Débora Moura.

Para que a imunização seja completa, os pais devem ficar atentos para a última dose da vacina contra o HPV, que deve ser tomada cinco anos após a segunda dose.