Fiscalização da Deso inibe ligações clandestinas de água no interior do Estado

Canal Viva Bem

A Companhia de Saneamento de Sergipe (Deso) vem mantendo uma rotina rigorosa de fiscalização das ligações suprimidas (desligadas temporariamente) no interior do Estado como forma de coibir o furto de água, principalmente em localidades mais afastadas das sedes municipais.


Esta ação implica na verificação dos dados contidos no sistema de gerenciamento sobre a situação do usuário perante a empresa e em seguida a atualização destas informações. Se no sistema consta a ligação de água como suprimida, é feita uma fiscalização para averiguar se ela permanece suprimida ou se o usuário executou uma ligação clandestina. Caso constatada a irregularidade, de imediato é feito o desligamento e a notificação ao infrator, para em seguida serem aplicadas as sanções devidas, conforme o regulamento da empresa.


Algumas destas localidades onde a Deso está atuando ficam situadas nos municípios de Nossa Senhora Aparecida e em Frei Paulo. Segundo o gerente da Unidade de Negócios do Sertão (UNSE), José Gabriel Almeida de Campos, existem sérias dificuldades de abastecimento em algumas cidades e localidades do alto sertão, principalmente aquelas que ficam na última etapa da linha da adutora, como é o caso de Carira, abastecida pela Adutora Sertaneja, e as cidades de Frei Paulo, Pedra Mole e Pinhão, abastecidas pela Adutora do Alto Sertão. “Esta deficiência é agravada com os furtos de água e por isso estamos fazendo uma fiscalização rigorosa das ligações suprimidas e que sob suspeita estão ligadas à revelia”, explica.


O gerente da UNSE acrescenta que outro ponto positivo da fiscalização é a redução das perdas físicas e os prejuízos com estas perdas. “Com a ligação clandestina, o consumo é indiscriminado, lesa a empresa e obriga a um aumento nos custos da prestação do serviço”, completou. Ele informou que está concluindo as ações nos povoados Cruz das Graças, Arary, Pedra Velha, Pedra Nova, São Gonçalo, Pia da Pindoba, Pau Ferro II, Marias Preta, Lagoa das Esferas, Queimadas, Salgado, Lagoa da Mata, Caenda, Zé Lame e Malhada das Capelas, situados no município de Nossa Senhora Aparecida.



Os reflexos positivos contabilizados com a as ações foram principalmente com relação à autonomia maior de operação do sistema. “Estamos reduzindo o número de manobras nas cidades, por exemplo, pois estamos conseguindo operar o sistema com uma margem maior de volume de água. Como referência, o volume médio histórico do município de Pinhão era de 4.000m³ e atualmente estamos operando com 12.000m³ de água, tendo como referência o mesmo período, a mesma época e condições climáticas semelhantes”, informou Gabriel Almeida.


Segundo Gabriel Almeida, trabalho terá continuidade nos demais municípios da região, onde há principalmente registros de incidências combatidas pela Deso em ações paralelas de combate às ligações clandestinas.