Violência não educa

Canal Viva Bem


Independente da classe social, a educação dos filhos é um desafio constante para os pais. O amor e o desejo que os filhos sejam adultos felizes e responsáveis são sentimentos importantes, mas não garantem um bom relacionamento com as crianças e adolescentes. Em nome do amor, do respeito e da preocupação, algumas vezes é usada a violência física e psicológica contra os filhos. Não se duvida da boa intenção dos pais, entretanto essa intenção não pode ser alcançada desse modo.


Os pais passam por vários problemas no dia-a-dia, como traumas, desilusões, isolamento, falta de apoio da família e dificuldades financeiras. Em muitos casos, não é fácil superar sozinhos tantos problemas, por isso é preciso saber pedir ajuda para não prejudicar toda a família com atitudes explosivas.


A troca de informações com outros pais, professores, familiares e até profissionais como psicólogos auxilia na escolha do melhor método para educação dos filhos.


Filhos que sofrem agressões físicas aprendem a se comunicar pela violência. Veja quais as mensagens transmitidas com ‘umas palmadas’:


⇒ o que vale é a lei do mais forte;


⇒ o pai e a mãe devem ser respeitados pelo medo que provocam por serem mais velhos e mais fortes; ⇒ ensinam os filhos a alimentarem o ódio ou a se sentirem culpados, vendo a si próprios como maus ou merecedores de punições;


⇒ significam para a criança ou adolescente que ele já pagou o que devia por ter feito algo errado, ao invés de levar a refletir sobre o seu erro;


⇒ eles aprendem o que não podem fazer, mas não estão sendo realmente orientados sobre porque é errado aquilo que eles fizeram e quais as conseqüências dos seus atos.


Saiba reconhecer alguns comportamentos que podem indicar quando a criança ou o adolescente está sofrendo violência física:


• ter medo dos pais ou de outras pessoas ou tentar evitar ficar perto deles;


• ficar muito agressivo ou inquieto;


• desenvolver uma grande timidez;


• tornar-se retraído e tristonho;


• apresentar problemas de aprendizagem e de convivência com outras pessoas da sua idade;


• quando perguntado sobre marcas ou feridas em seu corpo, pode ficar nervosa e contar histórias que não fazem muito sentido para explicar aquele tipo de machucado;


• perda do amor próprio (demonstra não gostar de si mesma).


A violência psicológica também afeta o desenvolvimento dos filhos.


Fonte: “Livro das Famílias – Conversando sobre a vida e sobre os filhos”, elaborado pela Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e Ministério da Saúde. Autor: Vivian Beltrame Awad