Vida no Trânsito reduz número de óbitos em Aracaju em quase 60%

Canal Viva Bem

Coordenado pela Secretaria da Saúde da Prefeitura de Aracaju (SMS), o Programa Vida no Trânsito começou a ser implementado na capital sergipana em 2013, com o objetivo de reduzir em até 50% os acidentes fatais e com lesões. Após seis anos e com a participação de outros órgãos, a meta foi ultrapassada e a redução chegou aos 60%.

Lidiane Gonçalves integra a área técnica de Prevenção de Violências e Acidentes da SMS e é a responsável pelo Programa. Segundo ela, o Vida no Trânsito representa um modelo de gestão de segurança no trânsito, criado como uma das principais respostas à Década de Segurança no Trânsito, instituída em 2011.  “É uma estratégia de gestão intersetorial para prevenir lesões e mortes, a partir de um plano integrado de ações, orientado por evidências científicas e pelo perfil epidemiológico local”, define.

O Vida no Trânsito surgiu como um projeto, por meio de uma inciativa da Organização Mundial da Saúde (OMS) para propor estratégias para a redução considerável de lesões e mortes. No Brasil, o então projeto ganhou o nome de Vida no Trânsito e foi implantado, como um projeto-piloto, em cinco capitais: Belo Horizonte, Campo Grande, Teresina, Curitiba e Palmas. “Esses locais foram escolhidos pela alta incidência de acidentes desse tipo e por serem mais estruturados à época. Como houve resultados, ele foi expandido para as demais capitais e municípios”, revela Lidiane.

Hoje, o Vida no Trânsito já está implantado em 51 municípios brasileiros. “Em Aracaju, ele começou a ser implementado em 2013, com a visita de representantes do Ministério da Saúde. O processo foi concluído em 2014, quando houve a instituição do Comitê Gestor Intersetorial do Programa”, lembra a coordenadora.

Esse comitê é composto por diversos órgãos, entre eles, a Superintendência Municipal de Transportes e Trânsito (SMTT); o Departamento Estadual de Trânsito (Detran); A Secretaria Estadual de Saúde; o Conselho Municipal de Saúde; a Universidade Federal de Sergipe; a Empresa Municipal de Obras e Urbanização (Emurb); a Empresa Municipal de Serviços Urbanos (Emsurb); a Guarda Municipal e a Secretaria de Estado da Segurança Pública, representada pelo Centro de Estatística.

“Cada um tem um papal específico e trabalha o tema de alguma forma. É preciso pensar de forma integrada e executar ações também de forma integrada, porque cada órgão tem como contribuir”, ressalta Lidiane. “As ações precisam ser estratégicas, alinhadas e integradas, inclusive com participação da população nesse processo”, completa a coordenadora do Programa.

À Emurb, por exemplo, cabe a realização de um planejamento de ações voltadas para a infraestrutura, como a operação Tapa-buracos e de recapeamento asfáltico, além da instalação de equipamentos de fiscalização e redutores de velocidade, como lombadas eletrônicas.

Já à UFS, coube a inserção da disciplina Prevenção de Acidentes de Trânsito e Suporte básico de Vidas na grade curricular. Optativa, a disciplina é ofertada a cerca de 60 alunos por semestre, a maioria deles do curso de Enfermagem. O objetivo é formar tanto cidadãos quanto profissionais mais críticos, conscientes e responsáveis com relação ao trânsito.

Lidiane acredita que os avanços do PVT vêm exatamente dessa integração entre os órgãos. E entre esses avanços, a redução de acidentes com óbito é a principal: o número de mortes caiu 58,1% em Aracaju entre 2010 e 2017. O índice de redução foi o maior em todo o país. Já entre 2017 e 2018, os registros caíram de 54 para 44 acidentes fatais no trânsito, representando uma queda de 18,5%.

As reuniões do Programa Vida no Trânsito ocorrem mensalmente, geralmente no fim do mês, e servem para que a equipe tenha um panorama dos resultados das ações e da necessidade de intensificá-las. Mas Lidiane reitera: a preservação da vida não deve se restringir ao Programa ou mesmo ao poder público. “Cabe a todos nós ser multiplicador da ideia do Vida no Trânsito”

Foto: André Moreira / AAN
.