Tabagismo é a principal causa de morte evitável

Canal Viva Bem

No Dia Nacional de Combate ao Fumo, comemorado em 29 de agosto, a clínica Onco Hematos faz uma alerta à população sobre a conscientização com relação a prática de fumar. O tabagismo é o maior fator de risco evitável de adoecimento e morte no mundo e tem relação com vários tipos de câncer (pulmão, cavidade oral, laringe, faringe, esôfago, estômago, pâncreas, fígado, rim, bexiga, colo do útero e leucemias), além de ser responsável por cerca de 30% das mortes por câncer. 


De acordo com o cirurgião torácico da Onco Hematos, Fernando Coelho, o principal câncer associado ao tabagismo é o de pulmão. “Fumantes chegam a ter 20 vezes mais chances de ter esse tipo de câncer que não fumantes, 10 vezes mais chances de ter câncer de laringe e de duas a cinco vezes mais chances de desenvolver câncer de esôfago. Cerca de 90% dos tumores do pulmão poderiam ser evitados simplesmente abandonando-se o fumo. Mais de 90% dos pacientes com câncer de pulmão são fumantes, incluindo aqueles não fumantes, mas expostos continuadamente à fumaça do tabaco – os fumantes passivos”, ressaltou.

As manifestações clínicas mais comuns são tosse, escarro com sangue (hemoptise), dispneia (falta de ar) e sibilo (chiado no peito). A tosse, seca ou produtiva (com catarro), e´ o sintoma mais comum associado ao câncer do pulmão, presente em até 75% dos casos.

Somente no Brasil, o Instituto Nacional do Câncer (INCA), estima mais de 28 mil novos casos de tumores pulmonares ao ano. Em Sergipe, a uma taxa estimada para este ano é de 10,99 casos de neoplasia maligna na traqueia, brônquios e dos pulmões para cada 100 mil homens e 7,37 casos para cada 100 mil mulheres. “Por isso a luta anti-taba´gica deve ser uma responsabilidade continuada entre todos os profissionais da a´rea da sau´de. E a população precisa ter mais consciência desse risco”, finalizou o cirurgião torácico.

Criado em 1986, pela Lei Federal 7.488, o Dia Nacional de Combate ao Fumo inaugura a normatização voltada para o controle do tabagismo como problema de saúde coletiva e tem como objetivo reforçar as ações nacionais de sensibilização e mobilização da população para os danos sociais, políticos, econômicos e ambientais causados pelo tabaco. A campanha tem como foco o público jovem e adulto (aproximadamente de 13 a 35 anos), de ambos os sexos, fumantes ou não. A opção por focar no público jovem é parte da estratégia para prevenir a experimentação e a iniciação (que ocorrem principalmente entre adolescentes e jovens, aproximadamente dos 13 aos 25 anos).

Fonte: AscomOncoHematos