Seguro do carro, por que fazê-lo?

Canal Viva Bem

Por Cleydson Santos e Fernanda Sales

Foto: Ilustrações

Quando alguém bate o carro ou tem o veículo roubado, ouve logo a seguinte pergunta: tá no seguro? Se a resposta for sim, bate a sensação de alívio, porém se vier a negativa, a cara é de preocupação e lamento. Seguro de carro é uma coisa primordial para quem tem um automóvel e deseja cobri-lo, ou seja, ter a garantia de tranquilidade por saber que o bem será recomposto de forma total ou parcial, a depender do fato ocorrido. As vantagens de contratar um seguro para o seu carro são muitas. “As pessoas entendem seguro como única e exclusivamente bateu o carro e ter o carro concertado. Isso é legal, é perfeito. O seguro também é para isso. Mas o seguro também é para lhe dar tranquilidade de deixar o carro em algum lugar e saber que seu bem será recomposto não só num roubo, como numa colisão”, explica o corretor de seguros Fábio Brito.

Mas, qual o procedimento correto na hora de contratar um seguro? O primeiro passo é procurar um corretor de seguros, que vai lhe dar as devidas orientações e, a partir de suas necessidades, personalizar o seguro. Uma boa consultoria evita que o cliente pague por coberturas que não precisa ou que compre planos insuficientes para o seu perfil.“O seguro por si só é vantajoso em todos os sentidos. Porém, quando o cliente senta para conversar com o corretor e personaliza, ele vê cada item do seguro e o que é melhor pra você e o que não é. É isso que vai dar o preço dele”, explica o corretor.

O seguro básico de carro garante cobertura do bem em caso de roubo, colisão e incêndio. É a partir dele que o cliente pode fazer a personalização, acrescentando coberturas adicionais, como carro reserva,quilometragem, danos materiais para terceiros, entre outros. Essas coberturas adicionais são seguros dentro do seguro (obrigatório), ou microsseguros, que podem ou não ser contratadas. São as coberturas adicionais, somadas ao questionário de avaliação de risco e o modelo do carro que vão determinar o valor a ser pago pelo seguro.

Um fator essencial é que o cliente, independente de ser homem ou mulher, seja bem orientado quanto ao produto que ele adquiriu, neste caso, o seguro. Isto é, o corretor precisa orientar o segurado para que qualquer problema que venha a ocorrer o segurado saiba como proceder sozinho, contando com o suporte do corretor de seguros em caso de dúvidas. “A partir do momento que as pessoas são bem orientadas, elas não vão ter dúvida do que fazer quando precisarem acionar o seguro. Desde o momento da contratação, o seguro é do cliente, por isso ele mesmo tem que dar entrada quando precisar. Se tiver problemas, dificuldades ou dúvidas, pode entrar em contato com o corretor e ele vai ajudar com certeza”, salienta Fábio.

Maria do Carmo Monteiro, cliente de Fábio há mais de 10 anos, reconhece a importância do corretor orientar bem os segurados, pois isso passa segurança na hora que necessitar acionar o seguro. “Quando precisei acionar o seguro, tomei a iniciativa por conta própria. Mas, quando tive dúvidas, liguei para meu corretor e ele sempre se colocou a disposição para esclarecê-las”, afirma Maria.

Alguns fatores contribuem na variação do valor do seguro, como idade e sexo. Jovens pagam mais caro porque estatísticas de acidentes são altas para motoristas de até 25 anos. Quanto ao sexo, as mulheres por serem (na teoria) mais cautelosas enquanto dirigem, costumam pagar menos, porém isso vai depender também do perfil da mulher. “O custo do seguro para mulheres é menor em relação ao dos homens, graças à diferenças comportamentais inerentes ao sexo(OLHO)”, explica Érico Melo, diretor-presidente do Sindicato dos Corretores de Sergipe (Sincor-SE).

De acordo com o presidente do Sincor-SE, cerca de 41% dos seguros de automóveis contratados por pessoas físicas são de mulheres e esse número vem aumentando nos últimos anos. “Tanto que algumas seguradoras criaram produtos específicos para o sexo feminino”, ressalta. Com base da Superintendência de Seguros Privados (Susep), existem registrados mais de 30 mil apólices contratadas para pessoas do sexo feminino.

O valor do seguro vai depender dos seguintes fatores:

– Questionário de avaliação de risco

– Modelo do carro

– Coberturas adicionais contratadas

Seguro Básico:

Garante cobertura do bem em caso de:

– Colisão, incêndio, roubo e furto

Coberturas opcionais (adicionais):

– Danos materiais; danos corporais; objetos transportados; danos morais; morte (por ocupante); invalidez (por ocupante); vidros; carro reserva; assistência 24h (guincho).

DICIONÁRIO DO SEGURO:

Entenda alguns termos usados no seguro de carros:

A

Agravação de Risco:Define um risco que se tornou mais grave quando da contratação do seguro. Pode, se constatado no sinistro, levar à recusa do processo pela seguradora. Caso, por exemplo, de um veículo com suspensão rebaixada ou fora das especificações originais definidas pelo fabricante.

Análise de risco:Estudo técnico realizado pela seguradora para determinar condições e preços apropriados para aceitar um seguro, com base na avaliação dos riscos envolvidos.

Apólice:Contrato firmado entre a seguradora e o cliente. Descreve o bem segurado, a cobertura e as garantias contratadas.

B

Bônus:Desconto concedido ao segurado na renovação da apólice, por ter apresentado experiência satisfatória ao segurador.

C

Cobertura Básica:É aquela relacionada diretamente ao veículo (casco). Destina-se ao reembolso de danos ao veículo segurado e na qual podem ser agregadas coberturas adicionais, acessórias ou suplementares, quando for o caso.

Cobertura Adicional: Aquela na qual o segurador admite, mediante inclusão na apólice, e pagamento de prêmio adicional para riscos não previstos nas condições gerais ou especiais.

D

Dano Corporal:Causado a pessoa, atropelamento, etc.

Dano Material:Causado pelo segurado a outros veículos, muros, postes, portões, placas de rodovias, etc.

I

Indenização Integral (Perda Total):É caracterizada quando os prejuízos provocados por um sinistro tornam inviáveis economicamente a reparação do veículo. Essa situação ocorre quando os custos de reparação são superiores a 75% do limite máximo de indenização, ou seja, o valor segurado do carro.

P

Prêmio:É a soma em dinheiro paga pelo segurado ao segurador para que este assuma a responsabilidade de um determinado risco.