Saúde alerta sobre cuidados com a leptospirose

Canal Viva Bem

Com a intensificação das chuvas na capital, a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) alerta sobre a leptospirose. Uma doença transmitida pelo rato contaminado pela bactéria Leptospira interrogans e que pode levar à morte. Os agentes de endemias da Coordenação Municipal de Vigilância Epidemiológica fazem um trabalho de bloqueio nas áreas de maior risco.

O supervisor de Endemias, José Bonfim Oliveira Santos, disse que são duas equipes, compostas por dez pessoas que fazem o trabalho preventivo e de orientação sobre a doença. “O setor de Epidemiologia nos avisa onde ocorreram os casos, nós delimitamos uma área de 200 metros e fazemos o trabalho de campo com busca ativa e passiva, levando informações, panfletos, entramos nos quintais das casas, aplicamos raticida nas tocas dos ratos e fazemos um relatório. Ainda disponibilizamos botas e saco de lixo nas áreas que acumulam água”, explicou Bomfim.

Para ele é importante fazer o alerta dos sintomas. “As pessoas devem ficar atentas para febre, palidez, urina escura, porque a bactéria atinge os rins e o baço. Mas o que diferencia de outras doenças são as dores na panturrilha. Caso alguém sinta estes sintomas deve procurar imediatamente o atendimento na unidade de saúde mais próxima”, esclareceu o supervisor.

Para evitar a doença é preciso ter alguns cuidados como: impedir a proliferação de ratos para não ser mordido ou não ter contato com a urina do animal, não comer alimentos que tiveram algum contato com as águas contaminadas, evitar tomar refrigerante e cerveja na lata. O técnico informa que existem profissionais mais suscetíveis a pegar leptospirose como os  trabalhadores em limpeza e desentupimento de esgotos, garis, catadores de lixo, agricultores, entre outros.

Dados

A Coordenação Municipal de Vigilância Epidemiológica informa os dados nos últimos cinco anos em Aracaju: em 2012 foram 13 casos confirmados e 3 óbitos; em 2013 foram 10 com 2 óbitos;  em 2014, 15 casos e 4 mortes; em 2015, 12 e 4 óbitos; e em 2016 foram 9 casos confirmados e nenhuma morte. O sexo masculino é o mais atingido, dos 59 casos ocorridos nos últimos anos, 47 foram em homens, cerca de 80%. As faixas etárias de 20 a 59 anos são as mais acometidas e a maior ocorrência se deu nos bairros Santa Maria, América, Cidade Nova e Santos Dumont.

Fonte: Ascom/SMS

Foto: Divulgação (imagem meramente ilustrativa)