Viva Bem explica novas técnicas para combater a calvície capilar

Canal Viva Bem

O Canal Viva Bem entrevistou o cirurgião plástico Dr. Ricardo Araújo, médico especialista em cirurgia plástica pela Fundação Hospitalar de Minas Gerais e membro da Associação Brasileira de Cirurgia da Restauração Capilar para falar sobre um problema comum entre os homens e mulheres, a calvície capilar.

A definição de calvície é uma perda capilar por origem genética e de acordo com o cirurgião plástico, existem várias perdas capilares. “A calvície é apenas uma dessas perdas de cabelo, pois existem outros tipos de perda, que são aquelas temporárias. Por exemplo, uma gestante que após a gestação começa a ter queda de cabelo, ou um paciente que durante o tratamento de quimioterapia também acaba tendo a perda capilar. Mas a perda capilar de origem hormonal é apenas a calvície”, informa.

 Apesar da calvície poder acontecer tanto em homens como em mulheres, o problema é mais frequente nos homens. “O homem para ter calvície precisa herdar um gene do pai ou da mãe, já a mulher para ter calvície precisa herdar tanto o gene do pai como o da mãe, por isso a frequencia de calvície em mulheres é mais reduzida, porque ela precisa herdar dos dois”, explica Dr. Ricardo Araújo.

Dr. Ricardo Araújo

A calvície geralmente surge a partir da puberdade e pode progredir até os 70 anos de idade. “Por conta do surgimento recente da doença, quanto mais precoce procurar o tratamento, melhor para o paciente. Muitas pessoas acham que boné, oleosidade e acne causam queda do cabelo, mas essa queda não é definitiva, é uma queda temporária de cabelo”.

A nova técnica para combater essa doença é o implante capilar. Como a calvície atinge apenas a área superior do cabelo, a parte inferior pode ser utilizada para realizar a cirurgia de restauração capilar. Para fazer a cirurgia plástica não é preciso definir uma idade, depende muito se o paciente já se encontra incomodado com o problema. “O tratamento é feito a partir de uma anestesia, retira uma faixa de couro cabeludo, depois utiliza-se da elasticidade do couro cabeludo, separa as raízes do cabelo e assim começa a restauração na área em que se perdeu o couro cabeludo fio por fio. No outro dia a pessoa já está bem para lavar o cabelo normalmente e o paciente não sente dor em nenhum momento”, acrescenta Ricardo Araújo, destacando que a única recomendação é evitar por um mês de pegar sol e realizar exercícios físicos, como jogar bola.

O cirurgião plástico finaliza explicando que o acesso a essa cirurgia, que antes tinha um preço exorbitante, hoje tem o preço padrão de uma cirurgia plástica comum.

Fotos: Divulgação