Profissionais de saúde do interior são capacitados para abordagem e tratamento ao fumante

Canal Viva Bem


A Coordenação de Doenças e Agravos Não-Transmissíveis (DANT) da Secretaria de Estado da Saúde (SES) está capacitando cerca de 80 profissionais que atuam em 11 municípios sergipanos onde funciona o Programa de Abordagem e Tratamento ao Fumante. O treinamento teve início na manhã de ontem, na Escola Técnica do Sistema Único de Saúde (SUS) em Sergipe e prossegue até hoje, com a participação de médicos, enfermeiros, odontólogos, biomédicos, assistentes sociais e psicólogos que integram as equipes multidisciplinares do programa.


 


De acordo com a coordenadora de DANT, Lívia Silva, a meta da Secretaria é descentralizar as ações do programa e capacitar as equipes para que realizem um trabalho cada vez melhor. “Em Sergipe, além da capital, as cidades de Estância, São Cristóvão, Arauá, Itaporanga D’Ajuda, Barra dos Coqueiros, Neópolis, Aquidabã, Poço Redondo, Capela e Itabaiana também trabalham com o tratamento ao fumante”, disse, acrescentando que o programa está sendo implantado em Nossa Senhora do Socorro e ampliado nos municípios de Estância e São Cristóvão.


 


Em Aracaju, o Hospital Universitário (HU) é a referência para o programa do Ministério da Saúde, realizado em parceria com o Instituto Nacional do Câncer. “No interior do estado, os cidadãos que querem deixar de fumar devem procurar as Unidades Básicas de Saúde onde funciona o programa. Os profissionais avaliam se a pessoa realmente quer parar de fumar ou se veio por influência dos familiares e amigos. O indivíduo deve estar convicto de sua decisão, já que é necessário muito esforço”, acrescentou a coordenadora.


 


Lívia Silva explicou que os pacientes participam de quatro sessões semanais no primeiro mês de tratamento. “Em seguida, os encontros passam a ser quinzenais, até que o paciente esteja preparado para participar das chamadas sessões de manutenção mensais. O ciclo completo de tratamento pode durar de seis meses a um ano”, comentou. Em alguns casos o tratamento requer apoio medicamentoso. Para isso os municípios recebem remédios trimestralmente.


 


Resolutividade


Durante a abertura da capacitação, a auxiliar de enfermagem Luiza Rocha, do município de Estância, fez um relato de sua experiência com o programa. “Estou há 70 dias sem fumar, não só por força de vontade, mas principalmente pelo apoio psicológico que recebi da equipe. Comecei a fumar na adolescência, hoje tenho 52 anos e pretendo permanecer sem esse vício”, disse Luiza, acrescentando que vem seguindo rigorosamente o tratamento.


 


A enfermeira Aline Ribeiro, do município de Aquidabã, destacou a importância de combater o tabagismo. “É um trabalho difícil, pois os pacientes precisam primeiro se convencer dos males que o cigarro faz à saúde”, disse Aline. O médico Argemiro Macedo Filho, da Barra dos Coqueiros, reforçou a declaração da enfermeira, ao ressaltar que as equipes dos Centros de Atenção Psicossocial (CAPs) também devem estar integradas às ações do programa.


 


Segundo dados do Ministério da Saúde, 25 milhões de brasileiros são fumantes, o equivalente a 20% da população. Destes, 20 milhões querem deixar de fumar. “O Programa de Abordagem e Tratamento ao Fumante tem um papel decisivo para a redução desses índices, pois somente 3% dos indivíduos que fumam conseguem parar sem ajuda. Inclusive, 40% necessitam do auxílio de medicamentos para se livrar da dependência química”, ressaltou Lívia.


 


Teste de dependência


O grau de dependência de nicotina do paciente pode ser avaliado através do Teste de Fagerström, criado pelo médico dinamarquês Karl Fagerström, em 1974.


 


Se o fumante deseja parar de fumar, esta avaliação é importante para subsidiar os profissionais de saúde na escolha da melhor estratégia de tratamento a ser adotada. Clique aqui e faça o teste agora mesmo.


 


Benefícios


Estudos mostram que sempre há benefícios para quem deixa de fumar, independente da idade. No sítio do Instituto Nacional de Câncer do Ministério da Saúde há ainda uma série de dicas para quem deseja largar o cigarro.


 


Vale à pena refletir até mesmo quanto ao gasto com a compra do cigarro e a economia feita ao deixar de fumar, já que o dinheiro pode ser melhor utilizado para outras finalidades.


 


Os benefícios para quem se livra da dependência da nicotina.


 


Para a saúde:


– Após 2 minutos a pressão arterial e a pulsação voltam ao normal;


– Após 3 semanas a respiração se torna mais fácil e a circulação melhora;


– Após 1 ano risco de morte por infarto miocárdio se reduz a metade;


– Após 5 a 10 anos o risco de sofrer infarto será igual ao das pessoas que nunca fumaram;


– Após 20 anos o risco de contrair câncer de pulmão será igual ao das pessoas que nunca fumaram.


 


Para a vida em comunidade:


– Fortalecimento do auto-estima;


– Melhora do hálito, e do cheiro;


– Melhora da coloração dos dentes e da vitalidade da pele;


– Dar um bom exemplo para as crianças;


– Não se preocupar em incomodar outras pessoas ao fumar;


– Melhora no desempenho nas atividades físicas;


– Contribuir para a redução dos danos ao meio ambiente, já que para cada 300 cigarros produzidos, uma arvore é derrubada, e o filtro do cigarro leva cerca de 100 anos para ser degradado.