Menopausa aumenta risco de asma

Canal Viva Bem


Uma pesquisa realizada por cientistas europeus sugere que mulheres que estão passando pela menopausa têm mais riscos de desenvolverem doenças respiratórias como a asma.


A pesquisa analisou o funcionamento pulmonar de 1,2 mil mulheres, que também responderam a um questionário sobre a saúde respiratória. Os cientistas mediram ainda o nível dos hormônios nas mulheres que tinham entre 45 e 56 anos.


Os resultados apontam que as mulheres que não menstruaram em um período de seis meses apresentavam pior funcionamento dos pulmões e mais sintomas de problemas respiratórios.


Segundo os pesquisadores, o aumento dos problemas respiratórios se deve à queda dos níveis do hormônio estrogênio. O estudo foi publicado na revista científica “Journal of Allergy and Clinical Immunology”.


Peso


Ao analisar o peso e o índice de massa corporal das mulheres analisadas, os pesquisadores descobriram que as mais magras apresentavam mais riscos de terem problemas respiratórios.


De acordo com os resultados, mulheres com massa corporal abaixo de 23 tinham o risco de apresentarem sintomas de problemas de respiração aumentado em quatro vezes.


Os problemas também eram mais freqüentes em mulheres acima do peso.


“Clínicos deveriam ter consciência do risco maior de asma e o menor funcionamento pulmonar em mulheres que chegam à menopausa. Estes problemas parecem ter menos destaque em mulheres com um índice de massa corporal de 25”, disse Francisco Gomez Real, médico da Universidade de Bergen, Noruega.


O índice de massa corporal é calculado dividindo-se o peso (em quilos) pela altura ao quadrado (em metros), e é usado como padrão internacional para calcular níveis de obesidade. Até 25, o peso é considerado normal.


Apesar do nível de estrogênio cair em todas as mulheres depois da menopausa, mulheres mais magras têm as menores quantidades do hormônio, segundo os pesquisadores.


Na menopausa as células de gordura se transformam na principal fonte de estrogênio, e aquelas que têm mais células de gordura terão níveis mais altos do hormônio, o que, segundo os pesquisadores, parece funcionar como uma proteção para os pulmões.


Em mulheres que estão muito acima do peso, os resultados indicaram que os efeitos protetores do estrogênio são superados por outros fatores.


Para Victoria King, gerente de desenvolvimento de pesquisa da instituição britânica Asthma UK, o estudo reforça descobertas anteriores sobre a relação entre peso e os efeitos da menopausa.


“O que é interessante neste estudo é que dá apoio a descobertas anteriores que mostram o efeito que a menopausa pode ter no funcionamento pulmonar é maior em mulheres magras que têm um índice de massa corporal mais baixo”, disse a gerente.


Fonte: BBC Brasil