INFORMAÇÕES EVOLUTIVAS SOBRE A EMERGÊNCIA DA BACTÉRIA MULTIRRESISTENTE

Canal Viva Bem

As ações de prevenção e controle implementadas pelo Núcleo de Epidemiologia, Controle de Infecção e Segurança do Paciente, em conjunto com o Serviço de Infectologia e Unidade de Terapia Intensiva do HUSE  estão sendo efetivas para manter o controle da situação e prover segurança aos pacientes assistidos nas duas unidades intensivas.

Todas as recomendações técnicas para o manejo da emergência de bactérias multirresistentes estão sendo implementadas pelo SCIH segundo o estabelecido pela ANVISA e regulamentos técnicos internacionais.

Foram coletadas culturas de vigilância (swab peritoneal) para a busca da presença da Klebsiella-KPC em todos os 54 pacientes internados nas duas UTIs. O objetivo é identificar os portadores da bactéria que ainda não manifestaram a infecção, separando-os daqueles com cultura negativa  e manejá-los de acordo no sentido da redução dos riscos de transmissão. Os resultados vêm sendo liberados pelo microbiologista Roberto Vivas diariamente para o SCIH para atualização dos dados e decisão dinâmica diária sobre  o manejo mais seguro e apropriado.

É fundamental esclarecer que não há risco de infecção por esta bactéria multirresistente para os profissionais de saúde, acompanhantes e familiares. Nossos esforços são para proteger os pacientes internados nas UTIs, que são muito graves e com estado imunitário muito fragilizados, devido ao seu quadro clínico.

Todos os pacientes nas duas unidades estão sob precauções de contato (uso de luvas e avental pelos profissionais e acompanhantes). A higiene das mãos pelos profissionais de saúde foi reforçada, bem como a limpeza e desinfecção do ambiente e materiais. As admissões e altas foram sustadas nas duas UTIs até que todos os resultados de culturas estejam finalizados. O tratamento com os antibióticos apropriados foi estabelecido pelo SCIH e Infectologia para todos os casos de pacientes infectados; os colonizados estão sendo monitorados, caso haja necessidade, o tratamento será imediato, caso manifestem sinais de infecção, conforme preconizado pelo procedimento padrão. Todos os antibióticos necessários para o tratamento estão disponíveis e garantidos, assim como os materiais e insumos.

Nota relativa a situação até 09/06.

Resumidamente, temos 13 pacientes com culturas positivas para a bactéria multirresistente Klebsiella-KPC. Destes, quatro foram diagnosticados com infecção ativa e nove com colonização (presença da bactéria mas sem infecção estabelecida).  Dos quatro infectados, dois morreram da infecção (septicemia) e estavam com a KPC. Dos nove colonizados, dois morreram de causas outras (cardíacas e neurológicas).

A rotina de monitoramento está intensificada. Diariamente será feita atualização da situação.

Infelizmente, a situação de aparecimento de bactérias multirresistentes é uma realidade em Hospitais de grande demanda e de alta complexidade, conforme vem sendo veiculada em outros centros de saúde. No HUSE, a situação foi identificada em seu início  exatamente por termos medidas de vigilância na rotina de trabalho.

Enfatizamos que os meios de controle e precauções padrões estão instituídos e que não há riscos para acompanhantes e visitantes. A população pode ficar tranquila, que o usuário estará bem assistido. Todos estamos trabalhando intensamente para que tudo se resolva o mais rápido possível e possamos liberar pelo menos uma das UTI para novas internações ainda esta semana, com total segurança para nossos usuários.

Dra Iza Maria Fraga Lobo  /Infectologista CRM 2316 Chefe do Núcleo de Epidemiologia, controle de infecção e segurança do paciente

Fonte : SES/FHS