Cosméticos antipoluição: a (boa) novidade antirrugas

Canal Viva Bem

Você já ouviu falar em cosméticos antipoluição? Acredite: eles existem e têm ganhado cada vez mais atenção e espaço na indústria dermocosmética.
No geral, tais produtos possuem ativos que protegem a pele contra 3 principais tipos de poluição:

1. Poluição eletromagnética: Radiação UV, já bem conhecida e contra o Eletrosmog – poluição eletromagnética causada pelo excesso de ondas emitidas por antenas, celulares e equipamentos eletrônicos.

2. Poluição atmosférica: Partículas nocivas e potencialmente tóxicas, como gases de carbono, enxofre, metais pesados e fumaça de cigarro.

3. Poluição doméstica: Partículas adquiridas em ambientes internos, liberadas pelo ar condicionado, sistema de aquecimento, substâncias alergênicas presentes em carpetes, além de agressores contidos em produtos químicos de limpeza, que danificam a barreira natural da pele.

De acordo com a dermatologista Claudia Marçal, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia, a poluição libera metais tóxicos (pesados) e partículas ligados à formação de radicais livres que resultam em envelhecimento precoce da pele e, consequentemente, no aparecimento de flacidez, linhas de expressão e rugas. Isto ocorre graças à destruição do colágeno, um dos responsáveis pela firmeza da pele. “Com a formação de radicais livres e produção de espécies reativas de oxigênio (superóxido e hidroxila), a poluição induz ao estresse oxidativo, secreta citocinas pró-inflamatórias  e colabora com o aumento de metaloproteinases, substâncias responsáveis pelo processo de ruptura e destruição das fibras elásticas e do colágeno”, explica a dermatologista.

Para evitar os danos cumulativos de partículas poluentes, o ideal é utilizar vitaminas, substâncias antioxidantes e ativos específicos. E é aí que entram os chamados cosméticos antipoluição, que possuem mecanismos de atuação diferenciados – como a formação de um escudo biomimético ou um filme de proteção sobre a pele, algo muito comum em fotoprotetores. “Além disso, eles também possuem atuação antioxidante, promovendo reparo celular e, principalmente, impedindo que substâncias pró-inflamatórios que levam ao dano celular.”, explica Lucas Portilho, farmacêutico, pesquisador em Cosmetologia e diretor científico da Consulfarma. “É fundamental incluir o uso de substâncias antioxidantes e antipoluição na rotina de beleza, principalmente aqueles que moram em grandes centros urbanos”, acrescenta.

Saiba mais sobre os cosméticos antipoluição.

Fonte: Veja.com 

Foto: Germano Luders/VEJA