“Alimentação ajuda reduzir efeitos do tratamento de câncer”

Canal Viva Bem


Entrevista


Thaiana Aragão Santana – oncologista clínica


 


“Alimentação ajuda reduzir efeitos do tratamento de câncer”


 


O tratamento de câncer pode causar diversos tipos de efeitos colaterais. Mas manter uma alimentação equilibrada, seguir a orientação nutricional e do médico ajudam a minimizar esses efeitos. Quem dá mais detalhes nesta entrevista é a oncologista clínica Thaiana Aragão Santana, formada em Medicina pela Universidade Federal de Sergipe (UFS), com residência Clínica Médica no Hospital Heliópolis/SP e de Oncologia Clínica na Faculdade de Medicina do ABC/ SP, pós-graduanda no programa de Mestrado em Ciências da Saúde da Faculdade de Medicina do ABC e ex-assistente do Instituto Brasileiro de Controle do Câncer (IBCC)/ SP e do Instituto do Câncer do Estado de São Paulo (ICESP).


 


 


Canal Viva Bem – Quais são os principais efeitos colaterais causados pelo tratamento de câncer?


Thaiana Aragão Santana – Além do desafio emocional que o paciente oncológico, bem como seus familiares cuidadores, enfrentam desde o momento do diagnóstico do câncer até o planejamento e início do tratamento, alguns efeitos colaterais podem acontecer a depender da terapia escolhida. Efeitos comumente relacionados à quimioterapia incluem: alopécia (queda de cabelos), fadiga, diminuição ou alteração do paladar, alterações de hábito intestinal (diarréia ou constipação), mucosite (aftas na boca), náuseas e vômitos. Em caso de radioterapia, sintomas que podem estar associados são: fadiga, alterações da pele e das mucosas do local irradiado (inflamações, ressecamento ou queimaduras de variados graus). É importante ressaltar, no entanto, que nem todos os pacientes submetidos a tratamentos oncológicos apresentarão estes efeitos colaterais.


 


CVV – O que fazer para minimizar esses efeitos?


TAS – É de extrema importância seguir as orientações do médico oncologista (e possivelmente radioterapeuta) e das equipes de enfermagem, nutrição e psicologia que acompanham o paciente durante o tratamento oncológico para evitar, na medida do possível, a possibilidade de ocorrência destes eventos.


 


CVV – Tem como prevenir os efeitos colaterais provocados pelo tratamento?


TAS – Alguns deles sim. Para minimizar a fadiga causada pelo tratamento, por exemplo, podemos limitar esforços físicos mais extenuantes e aumentar horas de descanso, sem, no entanto, limitar o paciente de suas atividades de costume. Para alterações e diminuição do paladar com eventual perda de peso, o paciente deve ter um acompanhamento nutricional contínuo, lançando mão de medidas de suporte como mudanças de dieta de acordo com a necessidade dele e o uso de suplementos alimentares.


 


CVV – Então manter uma boa alimentação é essencial?


TAS – Sim. Manter uma dieta equilibrada, pobre em alimentos gordurosos e rica em frutas e verduras é indicado. Em casos de diarréia, podemos lançar mão de maior ingestão de líquidos para manter o paciente sempre hidratado bem como uma dieta que “prenda” mais o intestino, com alimentos como banana, maçã e batata. Para constipação intestinal, sugerimos manter ingestão satisfatória de líquido e uma dieta rica em fibras e com alimentos que “soltam” mais o intestino, como ameixa, mamão, manga e cereais.


 


CVV – Que outros cuidados devem ser adotados para minimizar os efeitos do tratamento?


TAS – Para evitar mucosite, orientamos manter uma boa higiene oral, com medidas como bochecho com água bicarbonatada, e evitar traumas com próteses dentárias ou escovas de dentes. Para náuseas e vômitos, devem ser seguidas as medicações conforme orientação do oncologista bem como manter uma dieta leve, de fácil digestão, rica em frutas e verduras (com cuidado para higiene destes alimentos, quando crus). Alimentos mais amargos diminuem náuseas, como gengibre e sucos de frutas cítricas. Para evitar as alterações de pele da radioterapia, orientamos hidratação contínua vigorosa destes locais e utilização de cremes ou óleos apenas em caso de orientação médica.