O que são os implantes dentários e quais as suas vantagens?

Canal Viva Bem

Implantes dentários são suportes ou estruturas de metal (normalmente de titânio) posicionadas cirurgicamente no osso maxilar abaixo da gengiva para substituir as raízes dentárias. Uma vez colocados, permitem ao dentista montar dentes substitutos sobre eles. Para falar sobre o assunto, o Canal Viva Bem entrevistou o odontólogo Cristiano Gaujac, que é doutor em implantes dentários e cirurgião bucomaxilofacial, e explicou os benefícios do implantes e como é realizada a cirurgia.

De acordo com o doutor Cristiano Gaujac, os implantes têm suas vantagens e desvantagens. “A vantagem é que o implante, diferentemente das próteses, não precisa se sustentar em outro dente e evita o desgaste do dente também. O implante muitas vezes dá uma maior facilidade ao paciente, porque não precisa ficar tirando e colocando sempre, é como se fosse uma prótese fixa e muitos pacientes nem sentem a diferença, parece um dente normal. O implante também não tem como sentir dor, se sentir dor pode ser um outro dente afetando-o”, explica.

Já as desvantagens estão relacionadas à questão da limpeza e da sensibilidade. “A desvantagem do implante é a perda da sensibilidade, pois às vezes, o implante não dá a mesma sensação do que está se mastigando comparado ao dente natural. Outra questão é a escovação, pois a pessoa que tem um implante não pode se descuidar. Apesar do implante não ter cárie, a escovação e o fio dental se mantém como um fator importante para a saúde dos

dentes. O implante também pode ser perdido se alguma bactéria se instalar nele, por isso a importância da limpeza e escovação”, informa.

Para algumas pessoas, as próteses e dentaduras comuns são simplesmente desconfortáveis ou até inviáveis, devido a pontos doloridos ou falta de adaptação a estes aparelhos. E Cristiano Gaujac afirma que qualquer pessoa que não gostar da prótese ou que está sem o dente pode fazer implantes, dependendo da idade. “O critério para colocar implante é a idade mínima, ou seja, tem que ser uma idade que já tenha passado a fase de crescimento do dente, pois o implante não acompanha o crescimento. Já a idade máxima não existe, já teve pessoas que com 80 anos decidiu fazer implante. O segredo é que a pessoa tenha gengivas saudáveis e ossos adequados para sustentar o implante. Para quem tem osteoporose, diabetes, e outras doenças, tem que controlá-las primeiro antes de colocar o implante. É importante destacar que a pessoa diabética tem mais possibilidade de perder um implante do que as outras pessoas”.

Para fazer a cirurgia, o odontólogo explica que é preciso que o osso esteja com a espessura e altura suficiente para englobar todo aquele parafuso do implante. “Se o osso for mais fino que o implante ou se for de uma espessura igual, é preciso fazer um procedimento cirúrgico chamado enxerto para acrescentar altura ou largura ao osso maxilar e/ou mandibular, aumentando seu volume para depois de quatro a seis meses colocar o implante dentário. O enxerto pode ser com o osso da própria pessoa ou com ossos comerciáveis. Quando são ossos comerciáveis existe a possibilidade de rejeição, mas são casos raros”.

Foto: Ilustração/Arquivo